REVISTA ANTÍGONA

O número de estreia da revista Antígona traz a temática “Classes, identidades e territórios: questões e debates”. As ciências humanas elaboram há séculos os horizontes comuns que nos irmanam e também constatam as diferenças que nos dividem e, tantas vezes, nos opõem, acarretando em violências de diversas ordens.

Classes e identidades são conceitos pertencentes a muitas tradições teóricas e que cada vez mais tem sido utilizados de maneira composta, visando a compreensão da complexidade dos problemas postos pelo capitalismo. Pois, se o projeto de sociedade liberal, apregoado a partir das Revoluções Burguesas dos séculos XVII e XVIII, apontou para um mundo onde a condição de nascimento não deveria ser um determinante para os indivíduos, as diferenças sociais justificar-se-iam pelo esforço pessoal. Ainda no XIX, os limites e as falácias do sonho liberal ficaram expostos: a liberdade não trouxe igualdade, não havia mais o determinante de nobreza, mas a condição de classe era o sustentáculo das desigualdades em alguns lugares, noutros as raças, tornaram-se fator explicativo para a novos empreendimentos coloniais com suas perversas consequências. No século XX assistimos as utopias igualitárias serem transformadas em distopias autoritárias e a emergência de pautas que, até então, não estavam postas no debate público: eram as identidades reivindicando seus espaços. Territórios foram palcos e objetos de disputas entre grupos. Reivindicados por grupos diversos, diferentes concepções de suas utilizações ou mesmo demarcados para excluir, os territórios formam importantes objetos de análise das dinâmicas humanas.

Agora, em pleno século XXI, as humanidades, trabalhando numa perspectiva cada vez mais transdisciplinar, têm constatado a convergência de todos estes temas nas diversas dimensões da crise que atravessamos. Assim, Antígona abre suas páginas para artigos inéditos que contribuam para refletirmos acerca das dimensões que compõem este caleidoscópio das humanidades.

Informações adicionais