APERFEIÇOAMENTO EM FILOSOFIA FEMINISTA.

O cenário atual requer criatividade e mobilização na construção do conhecimento. A Escola As Pensadoras é convocada a contribuir com a atual situação educacional, política e social que vive o Brasil, em especial na ampliação e consolidação dos estudos em filosofia feminista. Tendo em vista os desafios que se apresentam a todos nós, e a necessidade de reinvenção e criatividade educativa apresenta essa proposta de Aperfeiçoamento na modalidade à distância com o objetivo de discutir as questões contemporânea e atuais das humanidades a partir dos da teoria feminista.

Não obstante os avanços, os processos de desigualdades seguem firmes, com especificidades regionais que merecem atenção. Na representação política e da academia, as mulheres estão em grande desvantagem, o que tem implicado uma série de dificuldades/limitações na construção da área de ciências humanas de forma democrática, em especial na filosofia. Em especial notamos que estas limitações e dificuldades também acompanham o desconhecimento de teorias e estudos feministas mais recentes que têm colocado em nova perspectiva problemas filosóficos, epistêmicos, metodológicos e estéticos. O feminismo de uma forma geral permanece desconhecido e, assim sendo, alvo de incompreensão, críticas e ataques infundados, a exemplo do argumento que faz dele o outro lado do machismo, isto é, um projeto análogo de hierarquia, apenas uma troca de sinais na dominação de gênero e redução aos problemas de identidade. Nesse sentido, conhecer os diferentes feminismos e seu potencial crítico possibilita a renovação da ciência, da cultura, práticas sociais e econômicas, sempre no sentido da inclusão social e da equidade. Um dos exemplos é a contribuição do feminismo interseccional e decolonial na consideração de que os problemas de gênero afetam principalmente etnias e raças excluídas de nossa sociedade.

No primeiro capítulo “Razões para fazer uma filosofia feminista em um mundo de filosofias e tecnologias masculinas”, do livro Filosofia Feminista: uma brevíssima introdução, Ivone Gebara expõe que a afirmação das coisas como verdades absolutas apesar de serem capazes de criar um estado de segurança para os indivíduos, também pode limitar e excluir o desenvolvimento de novas formas de pensar e agir. Como a autora afirma: “A filosofia feminista não nega essa necessidade humana, mas afirma a urgência do desenvolvimento de outras formas de pensar e agir menos excludentes e idealistas, que permitam que se desenvolva uma solidariedade maior entre nós” (p.16). Em vista disso, entendemos que desenvolver novas formas de pensar, mais inclusivas e flexíveis, torna-se, então, uma necessidade para substituir antigos conceitos dogmáticos e fundamentalistas. E, também construir novas narrativas situadas, não somente em cosmogonias ocidentais, mas também andinas, ameríndias e africanas, que compõem nossa ontologia.

Refletindo sobre a necessidade do desenvolvimento de uma filosofia feminista, Gebara explica sobre a subordinação que se impõe à mulher em relação ao homem, e como essa subordinação torna-se elemento essencial impeditivo da formação da dignidade feminina: “Nossa dignidade de mulheres aparece subordinada à masculinidade. Os nossos senhores sempre foram defensores de uma pretendida honra. Nós tínhamos que ser virgens para não os desonrar; tínhamos que negar o prazer dos nossos corpos para sermos dignas da maternidade; tínhamos que ser puras para eles e para o seu Deus patriarcal” (Gebara, p.34).

Esta proposta de curso proporciona a ampliação da abordagem tradicional filosófica para uma abordagem mais inclusiva e crítica da filosofia feminista a respeito de diferentes temas, contribuindo não somente para o avanço científico, como também para o entendimento da complexidade presente na problematização das desigualdades e à busca de melhores meios de combatê-las. Apesar da pertinência e grande interesse atual nos estudos feministas, ainda notamos o forte preconceito, resultado do desconhecimento da abrangência dos estudos feministas tanto nas instituições de ensino e pesquisa como na sociedade em geral.

Informações retiradas de: https://www.aspensadoras.com.br/cursos/i-aperfeioamento-em-filosofia-feminista